Sábado, 11 de Junho de 2011

(Teatro II) Fogo Ardente

 

 

 

 

 

 

 Narrador :

 

 

Meus olhos fixam o palco

Os personagens olham

Meu amor me beija,

Eu estremeço

Tudo estremece

Todos se desejam.

 

Os Deuses deslumbrados

Com o amor dos gatos,

O desejo dos humanos,

O arrepio da noite

Interrogam os astros.                                                                                                                          

                                                                                                                                   

 

Que se passa?

 

E no palco os personagens

Formam arabescos

Com seus corpos

Dançam uma dança

De amor e desejo.

 

Que se passa?

Pergunta a lua a quem passa.

 

Os personagens não falam,

Apenas se ouvem movimentos

Como se a terra se deslocasse

E se juntasse ao êxtase

Do momento abstrato.

 

Vamos mandar o arco-íris

A iluminar o espaço

Precisamos de olhar

Reconhecer e ver

Como se sabe amar.

 

E os quatro personagens,

O gato-branco

A gata-preta

Eu e meu amor,

No vasto chão amamos.

 

Tudo esquecemos

No momento profano

No instante de Fogo Ardente

E a fuga súbita

Da Estrela Cadente.

 

Maria luísa

 

 

...Seguir...

 

publicado por M.Luísa Adães às 15:22
link do post | comentar | favorito
41 comentários:
De M.Luísa Adães a 20 de Junho de 2011 às 15:53
Eu também e para já, termino com o facebook.
Quando escrever um poema no google levo-o
para o face, fora disso, termino.
Jogos acabam, até os vou eliminar aos poucos.
Fica meu perfil mudado pelo meu filho, lá do
Brasil e a recomendação de que não me confunda com o face. E eu aceito, estou desinteressada!

E então a parte principal, estás doente, mas vais descansar e tratar e só depois, voltas.

Jogos do Sim/Não - não vou responder e grande parte elimino. Só vou colocar meus poemas do goole, no Face. E termina, para já.

As tuas melhoras e tenta que te levem a comida a casa, hoje e amanhã.
Descansa e teus poemas para o face - nada mais interessa!

Um beijo,

Maria Luísa
De Maria João Brito de Sousa a 20 de Junho de 2011 às 15:59
Ainda por cá estou... mas sabe Deus... estou mesmo com muitas dores e tenho de ir... só tenho algum receio que o coreio do gmail esteja entupido... mas não vou conseguir desentupi-lo muito... vou tentar. Beijo!
De M.Luísa Adães a 21 de Junho de 2011 às 11:15
Não te preocupes, mas preocupa-te contigo,
se não o fizeres, ninguém faz...é assim a vida
de muitos e de todos no Final...

Meus gatos descansam neste poema, dos jogos de amor!

Vai e as melhoras! não deixes o mal avançar!

Beijos e obrigada
De Maria João Brito de Sousa a 21 de Junho de 2011 às 13:34
Ainda vim até cá, Maria Luísa, embora só uma parte do problema esteja a resolver-se; a tensão arterial estabilizou com este novo medicamento que o médico me receitou para acrescentar ao que eu tomava. A oclusão intestinal continua a provocar-me dores indizíveis e estou em jejum - tem mesmo de ser... - até o problema se resolver. Também ando a perder muito sangue na urina, mas isso deve ser por causa do Varfine... e eu tenho litíase renal... ainda não sei como se vai resolver isto porque eu não posso deixar de estar anti-coagulada... tudo isto é complicado e acaba por desanimar, sobretudo quando as dores vêm agravar tudo. Mas ainda estou viva e ainda consegui vir até cá... não posso é demorar-me muito porque me sinto muito desconfortável e dorida... isto digo eu, claro, porque à velocidade de caracol a que eu ando, precisava de vários dias de disponibilidade total. Farei o que puder e, se me sentir pior, vou para casa...
um abraço grande, grande!
De M.Luísa Adães a 21 de Junho de 2011 às 14:31
Lamento muito todos esses problemas de saúde.

Sei que estás medicada e não abandonada!

Não te esforces por mim, mas sempre que possível dá notícias.

E agora talvez seja melhor descansares, ficares atenta e ao menor sintoma anormal,
contacta médico ou urgências e não esperes!

Um beijo e melhoras. Se precisares de companhia diz...mas a melhor companhia é a assistência médica sem fallhas.
Um abraço e agradeço a lembrança de mim.

Maria Luísa
De Maria João Brito de Sousa a 21 de Junho de 2011 às 14:59
Não tens de agradecer, amiga! Ainda por cá estou, tão lenta, mas tão lenta que até a mim mesma me faz confusão. Descansa que se as coisas se complicarem eu vou ao hospital! Agora estou a tentar por em dia a correspondência, mas tudo me confunde... é estranho, mas sinto-me burríssima! Menos mal que já consegui deixar um sonetilho em resposta a um de um amigo que o deixou no Montanhas... e outro no blog dele... mas não há dúvida de que estou muito limitada e de que as coisas não fluem como dantes... a ver vamos!
Abraço grande!
De M.Luísa Adães a 21 de Junho de 2011 às 15:11
Tudo vai passar! É necessária paciência,
descansar, não exceder as forças e aguardar.

Tudo vai pelo melhor, embora demore uns dias - ou menos de uns dias.

Mas por hoje, deixa o pc. e vai para casa e espera pelas forças.

O tempo espera por ti e eu também!

beijos,
Maria Luísa

p.s, se necessário, pede ajuda à Paróquia.

De Maria João Brito de Sousa a 21 de Junho de 2011 às 15:18
Obrigada, amiga, mas o melhor é eu nem pensar em comer até isto estar resolvido... beijinho!
De M.Luísa Adães a 21 de Junho de 2011 às 15:48
Eu também estou parva. É evidente que não deves comer, mas beber chá podes e deves!

Mª. Luísa

Comentar post


Familia Maldonado /Brasão

24. Setembro .2001