Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011

Iemanjá/ Deusa do Mar

 

Iemanjá/ Deusa do Mar/Filha de Olokum

 

 

 

Faz parte de três culturas:

 

Africana, Indigena, Europeia.

 

No inicio do Século XX surgem duas tendências de religião, a dos ricos, catolicismo e a dos pobres populares

que faziam rituais originários de África. E somente na metade do século, as pessoas de classe média começaram

a frequentar esses cultos africanos.

 

E aos poucos foram mesclando rituais afros com divindades de origem indigena, originando a Umbanda.

 

Os terreiros de Umbanda são pequenas Comunidades religiosas sobre a liderança de pais ou mães-de-santo.

Locais onde se buscam soluções para os problemas da população urbana, principalmente a mais pobre.

 

Na hierarquia estão os Orixás. Ogum, Oxossi, Xangô, Iansã, Oxum, Iemanjá.

 

Iemanjá, Deusa do Mar, se instalou na cultura brasileira por gente de todas as religiões, sinónimo de

Tolerância, Esperança e Carinho.

 

Iemanjá, mulher morena, de longos cabelos escuros, vestes brancas e seios exuberantes, numa evocação

à fertilidade e à figura materna.

 

No camdonblé, a santa veste saia rodada, bata de renda, estola e, na cabeça um gorro de pêlo branco ou espécie de mitra,

de onde pende uma franja de contas, encobrindo-lhe o rosto.

 

Iemanjá dança com movimentos que imitam as ondas do mar e recebe saudações de todos que a vão homenagear.

 

No final de cada Ano, no Rio de Janeiro em Copacabana, se juntam cerca de 2 milhões de pessoas aguardando o

bater da "Meia-Noite", para homenagear, pedir e orar por um Novo Ano mais feliz para todos, em especial pelos

que nada são e nada têm.

 

Nessa cerimónia única no mundo, difícil de contar, todos se unem numa única Fé - a do Amor - razão da vinda do

Cristo Redentor à Terra para salvaçào de todos os homens e mulheres deste Planeta,

 

"Que não tem sido, suficientemente, amado e onde as diferenças Sociais são cada vez maiores".

 

Eu estive com o povo brasileiro em Copacabana,

 

pedindo por todos os esquecidos deste mundo.

 

Saudei Iemanjá e atirei flores ao Mar, junto com 2 milhões à minha volta, orando e rogando pela Paz do Mundo.

 

 

Maria Luísa - Rio de Janeiro, 2011

 

Feliz Ano!

 

  

Obrigada Gladys/ Eis o primeiro prémio de 2011

 

 Oferta ao blogs:  http://os7degraus.blogspot.com

publicado por M.Luísa Adães às 17:21
link do post | comentar | favorito
|
20 comentários:
De M.Luísa Adães a 6 de Janeiro de 2011 às 11:56
Ainda não regressei, mas escrevi!

Estive e estou presente!

Feliz Ano para todos,

Maria luísa
De a 6 de Janeiro de 2011 às 11:56
Olá Maria Luiza,
Feliz Ano para ti também minha amiga!
Essa é uma das tardições mais bonitas do povo brasileiro. Atirar flores ao mar.
Beijinhos
De M.Luísa Adães a 6 de Janeiro de 2011 às 12:12


Foi lindo te encontrar ,

e fazermos do longe
a aproximação do hoje.

Possa Deus te abençoar!

Feliz Ano para ti e os que amas.

Agradeço tua lembrança de mim,

Maria Luísa
De Anthos a 7 de Janeiro de 2011 às 13:53
Te escrevi e meu comments desapareceu.

Queria dizer que a tua homenagem à Fé,
é igual à minha e não importa a religião de onde vem, pois a religìão verdadeira é a do amor.

Bom Ano,

Anthos
De M.Luísa Adães a 7 de Janeiro de 2011 às 13:54
Agradeço e retribuo - Bom Ano!

Um abraço

M. Luísa
De M.Luísa Adães a 7 de Janeiro de 2011 às 20:02
Obrigada! Um Ano Feliz para ti.

Um abraço,

M. L.
De jabeiteslp a 9 de Janeiro de 2011 às 22:19
o melhor de um ano novo pra ti
que seja tambem uma semana
muito feliz

beijinhos Luisa
De M.Luísa Adães a 10 de Janeiro de 2011 às 18:49
Obrigada por te encontrar

Iemanjá, Deusa do Mar e eu agradecemos
e pedimos desculpa pela ausência.

M.L.
De poetaporkedeusker a 11 de Janeiro de 2011 às 14:48
Deve ter sido lindíssima, essa tua passagem de ano, Maria Luísa!
Que ele te possa trazer muito amor, saúde e criatividade!
Abraço grande!
De M.Luísa Adães a 12 de Janeiro de 2011 às 18:28
Tenho muita dificuldade em escrever.
A internet desaparece em minutos.

Na realidade, a passagem do Ano no Rio é
quase das únicas no mundo. Um encanto!
Este ano também se falou na Austrália e no
Dubai.

Beijo,

M.Luísa
De poetaporkedeusker a 13 de Janeiro de 2011 às 14:55
A minha foi a dizer adeus, pela janela da marquise, com um pano da loiça na mão! :)
Se a moda "pega" ainda fico famosa :))
Um enorme abraço, Maria Luísa!
De eduardo a 11 de Janeiro de 2011 às 17:00
Olá minha querida amiga Maria Luísa. Há um ditado que é assim: Mais vale tarde que nunca. Desculpa a demora. Eu não conhecia este teu trabalho. E gostei muito do que já vi, que foi pouco ainda. E nem sequer comentei algo, mas vou comentar, embora sejam comentários muito sucintos. Porque eu agora sou uma dona de casa no masculino, e por mentira que pareça, há sempre mais algo para fazer. Mas há sempre um bocadinho para atender uma amiga, como tu. Quanto ao meu blog, do sapo, eu perdi-o, por caricato que pareça. Com a mudança de computador e mudança de sistema operativo, sim. Porque agora tenho o winsdws 7 e antes tinha o X. P. e não me estou a dar nada bem com o 7. E foi assim que perdi o meu blog, agora meto o endereço e a palavra chave, e diz-me que não existe nenhum blog com esse nome. Não sei se mais alguma x o consigo abrir. Vou ter muita pena dele, porque tinha lá muitas coisas de estimação, até porque foi o meu primeiro blog. Mas fazer o quê?..... Olha minha querida. Vou terminar, foi só um lamiré, para saberes que não estás esquecida por este teu amigo Eduardo. Um beijinho e desejos de um 2011, muito prospero.
De M.Luísa Adães a 12 de Janeiro de 2011 às 18:31
Eduardo

Adorei encontrar-te neste blogs tão diferente
dos outros dois.

Tenho muita dificuldade em escrever.
A internet desaparece em minutos.

Quando regressar te escrevo!

Beijos,

M. Luísa
De MIGUXA a 11 de Janeiro de 2011 às 23:14
Maria Luísa,

Devo confessar-te que tenho fobia a multidões, acho que teria adorado assistir a essa cerimónia mas de longe, querendo no entanto estar bem perto e partilhar...

beijo e saudades
Margarida
De M.Luísa Adães a 12 de Janeiro de 2011 às 18:36
Eu também não gosto de multidões!

Mas aqueles cerca de 2 milhões deixaram de existir e apenas ficou a FÉ e os pedidos de ajuda.
Me encontrei comigo mesma e encontri sempre espaço para me movimentar e
chegar ao mar, atirar flores e tudo quanto me
rodeava deixou de existir.
Fifícil de explicar, mas é um fenómeno para além da multidão.

Tenho muita dificuldade em escrever. A internet desaparece em minutos.

Beijos e obrigada,

M. Luísa
De M.Luísa Adães a 12 de Janeiro de 2011 às 18:38
Miguxa

desculpa os erros, mas é impossível, quase,
escrever.

M. L.
De M.Luísa Adães a 12 de Janeiro de 2011 às 18:48
Miguxa

Morreu-me um tio e por estranho que pareça
eu tinha ouvido chamar por mim, numa manhã e reconheci a voz dele.
Comentei com meu marido, mas nõ fui levada a sério.
Ontem me telefonaram a dizer que ele tinha morrido...
Ficaram calados à minha volta. Ele morreu
no dia em que reconheci a voz dele a chamar,
"Maria Luísa".

Era o irmão mais novo de minha Mãe e eu
fui ter com ele e conversamos, antes de vir para o Brasil.

Não é inédito em mim!
Acredita só se quiseres...

E tive internet para te contar esta minha
angústia.

Obrigada,

M.L.
De MIGUXA a 12 de Janeiro de 2011 às 20:23
Amiga,

Lamento a morte do tio.
Acredito em ti porque não é inédito e porque não terias motivo algum para recriares uma situação destas...
Quem sabe o senhor teu tio se queria despedir ou deixar alguma mensagem...
Não fique angustiada, já está em descanso...

Beijos com ternura
Margarida
De M.Luísa Adães a 13 de Janeiro de 2011 às 12:03
Obrigada por acreditares em mim,
mas nào estou descansada!

Um beijo,

M. L.

Comentar post

relojes web gratis

Familia Maldonado /Brasão

24. Setembro .2001