Segunda-feira, 9 de Agosto de 2010

Carlos Drummond de Andrade/ Maria Julieta Drummond de Andrade

                 

                                                                                               

Nascido em 1902 - Itabira do Mato Dentro, Minas Gerais.

 

Morre em 1987 R.J.

 

Pertence à Segunda Geração do Modernismo no Brasil/ Futurismo em Portugal,

com Fernando Pessoa.

 

Forte criador de imagens, sua obra tematiza a vida e os acontecimentos do mundo

a partir dos problemas pessoais, em verso que focalizam

o indivíduo, a terra natal, a família e os amigos.

Embates sociais, o questionar da existência, a própria poesia.

 

Eis Drummond de Andrade:

 

Os ombros suportam o mundo

Tempo de absoluta depuração

Tempo em que não se diz mais: meu amor.

Porque o amor resultou inútil.

E os olhos não choram.

E as mãos tecem apenas o rude trabalho.

E o coração está seco.

 

Em vão mulheres batem, à porta, não abrirás.

Ficaste sozinho, a luz apagou-se,

mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.

És todo certeza, já não sabes sofrer

E nada esperas de teus amigos.

 

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?

 

Teus ombros suportam o mundo

e ele não pesa mais que a mão de uma criança.

As guerras, as fomes, as discussões dentro de edificios

provam apenas que a vida prossegue

e nem todos se libertaram ainda.

 

Alguns, achando bárbaro o espetáculo

prefeririam (os delicados) morrer.

Chegou um tempo que a vida é uma ordem.

A vida apenas, sem mistificação.

 

 

Carlos Drummond de Andrade

 

Nota:   

 

Maria Julieta Drummond de Andrade, fillha única de Carlos Drummond de Andrade

e considerada sua eterna musa e grande paixão.

A cumplicidade entre os dois existia no mais simples olhar e também na vocação.

Julieta jamais conseguiu destaque, sufocada pelo sobrenome famoso que carregava.

 

Carlos Drummont de Andrade veio a falecer a 17 de Agosto de 1987, doze dias

após a morte da filha, causada por um cancro ósseo.

 

 

Breve análise de:

 

 

Maria Luísa Adães

 

 

 

 http://ocantinhopoetico.blogspot.com                Oferta / Setembro 010/ ao blogs: http://os7degraus.blogspot.com

 

publicado por M.Luísa Adães às 11:54
link do post | comentar | favorito
|
39 comentários:
De jabeiteslp a 9 de Agosto de 2010 às 12:36
achei piada ao nome do sítio onde nasceu
Itabira do Mato Dentro...

a velhice é algo
é o estado reversivo ...

feliz tarde Luisa
beijinhos

Itabira do Mato Dentro há há há
acho engraçado o nome

De M.Luísa Adães a 9 de Agosto de 2010 às 15:04
João

Grata por te encontrar como amigo recente, mas assíduo.

Eis Carlos Drummont de Andrade e a terra
de nome único, onde nasceu.

Beijos e obrigada,

Mª. Luísa
De cuidandodemim a 9 de Agosto de 2010 às 13:58
Outro poeta que adoro, Drummond de Andrade... Tem versos lindíssimos e cheios de sabedoria. O homem era mesmo um sábio...
Bjns
De M.Luísa Adães a 9 de Agosto de 2010 às 15:16
Cuidandodemim

Gostei de a encontrar, neste poeta que aderiu
á 2ª. fase do Modernismo no Brasil -
Futurismo em Portugal

É na realidade muito bom!
Tinha de o trazer,
a este pequeno recanto como homenagem,
ao poeta, ao homem e à poesia modernista,
onde se incluem nomes famosos e eternos.

Pena que quando se escreve este tipo de poesia,
alguns não saibam o nome e lhe chamem
"poesia livre" quando nomes como este e outros
como ele, aderiram e atingiram a Eternidade.

Espero que tudo continue bem para si e aqueles a quem ama. Agradeço, profundamente, a encontrar e gostar
desta poesia de Drummont de Andrade, maravilhosa e que eu também desconhecia.

beijos e obrigada

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 9 de Agosto de 2010 às 16:51
Toda a poesia é livre, amiga. Libérrima, em termos semânticos, mas pode ser muitíssimo rigorosa em termos formais. É o caso do Soneto Clássico em decassílabo heróico, que é o que eu utilizo mais... mas há outras modalidades, dentro do próprio decassílabo, para não falar do dodecassílabo do soneto Alexandrino. E ainda temos, no caso dos decassílabos e dodecassílabos, o "pé", que pode variar de soneto para soneto... mas um sonetista com muita prática vai usando um "pe´" bastante constante. E o teu joelho, como vai? Não encontrei poemas novos no Prosa-Poética, vim até aqui, ver se te encontrava e eis que te encontro aqui, com o Carlos Drummond de Andrade! Lindo!
Fiquei com a sensação que me tinhas dado autorização para levar aquela imagem do AVATAR para o Prémios e Medalhas... deixas?
Abraço grande e que esse joelho se recomponha rapidamente!
De M.Luísa Adães a 9 de Agosto de 2010 às 17:49
Mª. João

Muito me apraz encontrar-te e à tua sabedoria em poesia.
Quando falo em "poesia livre" me refiro a quem me comentava e dizia isso, como se fosse uma pedrada.
Sem exagero, isso chegou a acontecer em poemas que para mim, eram lindos e difíceis de escrever.
Aí, eu ficava com vontade de dizer mil coisas, dar mil explicações, justificar-me a quem escrevia e dizia sem saber e sem ter conhecimentos, para o fazer.

Tu nunca estiveste em causa, mas duas pessoas estiveram, nem me lembro quem.
mas me lembro do tom em que escreviam do que não sabiam.

E os aguentei, sem nada dizer.

Se lessem este belo poema de Drummond de
Andrade, podiam compreender o que é
ser livre no escrever.

Mas a mim me ofenderam e eu tive sempre de me calar, até que os abandonei e fiquei apenas
com aqueles que são bons.
E tu és uma delas e há mais...

Essa observação era feita, muitas vezes, por
duas pessoas. sempre as mesmas. Até me lembrei agora quem são e depois os deixei sem
nada dizer e eles me deixaram, felizmente.

Libertei-me, tive essa coragem! E no fundo,
eu não sou ninguém, mas quem me apredejava - era alguém? Para mim não!

Quanto ao que desejas levar para o Prémios e
Medalhas, escolhe o que quiseres e gostares,
até me podes levar a mim!

Tudo te pertence, dou autorização.

Porquê? Me falares na "poesia livre"?
De que te lembraste? Estranho - não?

És um espanto de mulher e às vezes não te entendo.

O joelho está frágil, o calor imenso não ajuda
e hoje fiquei em casa.

Tenho um poema no google. O coloquei no sábado. Não tive tempo de ir ao teu blogs,
desculpa.

Com amizade,

Mª. Luísa

De poetaporkedeusker a 10 de Agosto de 2010 às 12:11
Ó amiga, desculpa... saiu-me aquilo... são conceitos que tenho como dados adquiridos e acho muito, muito triste que alguém seja capaz de atirar a frase "poesia livre" como uma pedrada! Para além de maldade, só revela ignorância... e agora estou um bocadinho zangada e não gosto nada de mim assim... pronto, já estou mais calma.
O teu joelho precisa de muito repouso, não te metas em grandes avarias.
A propósito do Google, acreditas que ainda não descobri como posso fazer para me poderem seguir? Mas eu já tenho uma seguidora... não sei como conseguiu, mas está lá...
Ando a começar a recolher poemas para o livro... já consegui reunir uns 150 e tenho de lhes dar uma sequência literária, não posso despejá-los no livro, sem mais nem menos... e descubro sempre pequenos erros, imagina! Acho que vou ter de os reformular quase todos...
Se não te importas, logo à tarde, levo a tua imagem do AVATAR para o Prémios e Medalhas. Aquelas figuras estão magnificamente concebidas!
Um enorme abraço!
De M.Luísa Adães a 12 de Agosto de 2010 às 11:01
talvez nem fosse maldade,

mas ignorância, vaidade!...

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 12 de Agosto de 2010 às 12:17
Fosse o que fosse, não deveria ter-me zangado... mas acontece-me de vez em quando :) Também não deveria tê-lo dito, mas está dito... dito está!
Que me perdoe quem quer que seja...
Hoje está a celebrar-se o Dia da Juventude aqui no CJO. Isto está animadíssimo, cheio de criançada e com imensas actividades organizadas pelos monitores da autarquia. Para ir fumar o meu cigarrito manufacturado tenho de andar quilómetros, mas é bom ver esta gente pequenina a fazer coisas interessantes!
Abraço grande!
De M.Luísa Adães a 12 de Agosto de 2010 às 16:00
Mas acontece nos zangarmos e muito, mas
pensando bem, só nos prejudica e não conduz a nada.

Calar e seguir em frente e não voltar!
Drástico, mas real. Não vale a pena!

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 12 de Agosto de 2010 às 16:45
Tu lá sabes! Eu andarei sempre por perto de ti... estou com muitos blogs e outros sites que me convidaram para escrever neles... para além do Facebook que nos leva horas de trabalho... e posso deixar escapar uma ou outra coisita, mas andarei sempre por perto!
Abraço grande, grande!
De M.Luísa Adães a 13 de Agosto de 2010 às 12:27

Eu agadeço, poeta amiga.

M. Luísa
De Atenas a 9 de Agosto de 2010 às 18:00
A breve análise a carlos Drummont de Andrade está muito boa.

Agradeço, como brasileiro e poeta do mundo,
a Homenagem que lhe faz.

A Senhora é bastante versátil. Conheço seus poemas.

Atenas
De M.Luísa Adães a 9 de Agosto de 2010 às 18:02
Agradeço suas palavras e sua presença, neste
minúsculo blogs, de que gosto muito!

Obrigada,

Maria Luísa
De M.Luísa Adães a 11 de Agosto de 2010 às 16:09
Embora não o conheça, gostei do que me diz.

Obrigada,

Mª. Luísa
De Rosinda a 9 de Agosto de 2010 às 20:31
Olá M. Luísa!
Gosto de Carlos Drummond, Pouco sei do poeta, sabia que era do Brasil e pouco mais, falar sobre gêneros de Poesia, não sei... Simplesmente gosto de ler e de escrever os meus versinhos e vejo poesia em muita coisa, que nem é escrita... :-))
Mas admiro quem sabe qualificar...
Um beijinho
De M.Luísa Adães a 11 de Agosto de 2010 às 16:12
Rosinda

Fiquei feliz por a encontrar.
ao mesmo tempo, escrevendo para este blogs
homenageia o poeta brasileiro
Carlos Drummont de Andrade.

Ambos agradecemos,

Mª. Luísa
De flordocardo a 10 de Agosto de 2010 às 00:59
Adoro este poema!
Força!
De M.Luísa Adães a 11 de Agosto de 2010 às 16:14
flordocardo

Na realidade é muito belo! obrigada por
escrever.

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 11 de Agosto de 2010 às 15:56
Hoje não te encontrei por aí, nas novas publicações... o nosso amigo Eduardo também conseguiu tornar-se seguidor do pekenasutopias.
Eu apenas lhe deixei um link no Face Book e ele foi lá dar... eu é que continuo sem saber accionar os mecanismos que permitam seguir-me facilmente... mas também tenho muito poucas visitas por lá...
Estás bem? O Kico passou uma noite particularmente difícil, mas está melhor agora.
Um abraço grande!
De M.Luísa Adães a 11 de Agosto de 2010 às 16:18
Mª. João

Eu já lá estive e vi o nosso amigo Eduardo.
deixei meu nome e dou indicação como vais
chegar a um senhor que te costuma escrever Vitor.

Hei-de pedir ao Eduardo o nome dele como meu
seguidor no google.

Melhoras para o Kico.

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 11 de Agosto de 2010 às 16:43
Amiga, eu ao Vítor só chego através dos comentários dele... nunca fui de outra forma...
experimenta clicar num dos comentários que ele me deixou em posts anteriores e vais lá ter, de certeza.
Bjo!
De M.Luísa Adães a 12 de Agosto de 2010 às 11:05
M. João

Não posso escrever muito, ou mesmo nada.
As costas traem-me e isto está mau de saúde.

Clicas no vitor no comentário que ele te faz, chegas ao blogs dele, vais aos seguidores e
colocas tua presença. Podes deixar comments ao que ele escreveu e depois, aguardas que ele retribua, fazendo o mesmo no teu blogs.

M. Luísa
De poetaporkedeusker a 12 de Agosto de 2010 às 12:38
Eu ontem lá consegui descobrir o link para o adicionar, mas já não tive tempo para o comentar...
De M.Luísa Adães a 12 de Agosto de 2010 às 16:07
A poesia é um espanto, merece adicionar.

É, excepcionalmem«nte, bela!

Não esqueças que nos meus escritos, colocas
sempre, por favor, " os7 degraus ".

Eu abandono o sapo, sem nada dizer! Fico com
este, isso quero fazer, ninguém me incomoda
e é meu, de forma especial. Os outros também são, mas neste sou livre!

Mª. Luísa
De poetaporkedeusker a 12 de Agosto de 2010 às 16:15
Amiga, eu detesto - mesmo! - fazer perguntas, mas... tu, no sapo, não és livre porquê?
Não respondas, se te não apetecer ou se entenderes que não tenho nada com isso. Eu aceito muito bem os condicionalismos que me são impostos quando vou longe demais.
A seguir vou publicar o poema de apreciação que tu fizeste. Não sei porque é que os links não fornecem um acesso directo aos blogs assinalados, mas devem ser pormenores informáticos daqueles mais complexos...
Abraço grande!
De M.Luísa Adães a 13 de Agosto de 2010 às 12:22
Mª. João

Não sei responder!...

Um abraço,

Mª. Luísa
De noitesemfim a 12 de Agosto de 2010 às 05:19
Olá amiga Mª Luisa.
Longa ausência de tão belas palavras.
Escolha acertada, gostei, gostámos todos
1beijo
João
De M.Luísa Adães a 12 de Agosto de 2010 às 11:08
É verdade amigo, grande ausência, mas estou no google, no:

http://os7degraus.blogspot.com

Espero com muito gosto, tua visita.

Vou muito pouco ao Sapo e de futuro, fica
aguardando melhores dias.

Beijos e obrigada,

M. Luísa
De noitesemfim a 13 de Agosto de 2010 às 09:32
Obrigado pela informação, passarei a passar por lá.
Um beijo
João
De M.Luísa Adães a 13 de Agosto de 2010 às 12:30
Amigo

Agradeço tua presença e ternura.

Com amizade e muita,

Mª. Luísa
De Fernanda a 15 de Agosto de 2010 às 15:20
oii Maria Luisa,

Que lindo esse teu cantinho.

Parabéns.

Beijos
De M.Luísa Adães a 15 de Agosto de 2010 às 19:32
Fernanda

Obrigada por me visitares neste pequeno recanto e por gostares.

Beijos,

Mª. Luísa
De jabeiteslp a 19 de Agosto de 2010 às 18:42
olá

desejos de um fim de tarde maravilhoso...

beijinhos
De M.Luísa Adães a 20 de Agosto de 2010 às 19:47
Assim que apanhei o pc vim saber notícias

e te encontrei.

Bom fim de semana para ti, também.

Beijos,

M. L.

Comentar post

relojes web gratis

Familia Maldonado /Brasão

24. Setembro .2001